segunda-feira, 15 de outubro de 2012

DIA DO PROFESSOR


Vou contar um pouco da minha vida de professor . . .
Durante  18 anos trabalhei como professor do município do Rio de Janeiro, como professor de primário (de 1º ao 5º ano), bom tempo deste em Bangu – Zona Oeste.  Onde fiz muitas amizades e infelizmente algumas inimizades, devido ao meu temperamento, e até mesmo ridicularizados por outros professores (PI – do 6º ao 9º ano), dizendo que eu deveria estudar mais. . . numa alusão por dar aula para o 1º segmento.

Durante esses anos posso dizer que: “combati o bom combate”, isto é, exerci com paixão e profissionalismo (cheguei a trabalhar 10 hs por dia, por minha conta e risco – dava aula no 1º turno, treino de handball antes do 2º e dava aula no 2º turno) ao máximo, e não me arrependo. . .

Até que não resisti aos desmandos e destratos da SME e acabei por estar acometido da síndrome de bournout  . . . e fui aposentado por “depressão”, já que a Prefeitura ñ assume que seus professores podem ficar doentes ao ver que não conseguem mais produzir devido a essa tática governamental de enganar os pais e culpar o professores. .  .

Graças a isso, passei a receber 40% do meu salário quando na ativa, e servi de exemplo para outros professores para não procurarem a perícia médica (um dia uma colega disse que não queria ser aposentada como maluca).

         O que me deixa feliz é que muitos dos meus ex-alunos me procuram e agradecem pelo que fiz por eles e que as ex-companheiras de escola sentem minha falta.  Por isso ainda posso dizer:  valeu a pena ser PROFESSOR!